Igreja, Teologia e Missão

Um dos contributos mais valiosos do movimento missionário moderno para a História da Igreja foi o resgate da relação entre teologia e missão. A trajetória do missionário batista William Carey (1761-1834) é um bom exemplo disto, pois a sua motivação ao assumir um compromisso com a missão de Deus foi o aprofundamento de uma teologia sólida alicerçada nas Escrituras. É possível afirmar, portanto, que todo o seu empreendimento missionário era produto de uma teologia em ação.

Esta relação direta entre teologia e missão pode ser identificada no ministério do próprio Jesus de Nazaré. Os evangelhos revelam-nos que o tema principal do ensino de Jesus era o Reino de Deus, o qual, podemos dizer, era um assunto de caráter teológico.

Ensinar sobre o Reino de Deus era revelar o projeto divino para a Criação, era sinalizar que a vida humana deveria ser submetida de forma integral à soberania de Deus. E este ensino não era teórico ou baseado numa tradição, mas estava diretamente relacionado com a vida e missão do próprio Cristo e tinha implicações na vida quotidiana dos seus ouvintes: salvação, família, espiritualidade, trabalho, política, economia, questões religiosas, ecologia, lazer, violência, etc.

O empreendimento missionário do apóstolo Paulo foi claramente fertilizado pelas suas convicções teológicas. Toda a ação missionária do apóstolo aos não-judeus era produto da sua teologia, e toda a reflexão teológica por ele desenvolvida estava ancorada na sua consciência dos desígnios de Deus para a Criação.

Diante disto, o nosso propósito é investir numa educação teológica comprometida com a missão de Deus e que contribua para a formação de crentes maduros: homens e mulheres que seguem o exemplo de Jesus e, na força do Espírito, vivem para a glória de Deus, a edificação do corpo de Cristo e a expansão do Reino de Deus em todo o mundo.